sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Porque eu ia querer isso??? (3)

Nesse capitulo das bizarrices dos meus conterrâneos, que me parece algo muito peculiar de nossa boa gente mineira, outro hábito estranhíssimo é quando vc tem uma das portas do carro não completamente fechada, com o segundo estagio aberto. Eles endoidam pra te avisar.
Sabem que a porta não abre, não tem ninguém no banco de trás correndo risco de cair, mas eles não se conformam; buzinam, piscam farol, fazem sinais estranhos com as mãos, e se tudo falhar dão uma fechada te obrigam reduzir e parar até que vc sinalize de volta sua enorme gratidão pelo aviso salvador. Isso acontece a todo momento e vale tb para os casos em que vc deixa, propositalmente, os faróis acesos de dia – pq vc acha que faróis não são somente pra vc ver melhor no escuro, mas para que seu carro tb possa ser visto em certas situações. Eles ficam possuídos e te perseguem por quilômetros até que vc apague. Uma versão pedestre desse estranho fenômeno psicossocial é se vc ousar sair de casa com um cadarço do sapato desamarrado. Vc será mais perseguido que o pobre Frankenstein nos antigos filmes da Universal. Agora, se vc estiver com o zíper da braguilha um pouco aberto, não terá perdão dos inspetores de passarinho soltos. É...Eles são muito estranhos mesmo.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Por que ia querer isso???? (2)

Antes eu pensava que era alucinação..Que só eu via isso; mas depois outras pessoas, muito timidamente (pq tb pensavam que era alucinação) passaram a mencionar o mesmo fenômeno: aqui em BH os outros carros seguem seu carro; igual cachorros perdidos na rua, que te acompanham, quando vc está na caminhada, entende?
Naturalmente eles tb estão indo a algum lugar, mas só vão ao seu destino se achar um carro na frente que está indo na mesma direção, senão se desorientam. Quando estão atrás de vc e vc para ou muda de rumo eles parecem se enfurecer pq terão de buscar outro carro pra seguir e isso pode ser um pouco difícil. Alguém sabe me explicar pq isso acontece???

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O mais baixo na escala do trabalho...

Um suposto Boris Casoy, suposto talking-head (cabeça falante) de uma suposta rede de televisão teria afirmado no ar, em seu suposto programa que "os garis são o mais baixo na escala do trabalho". Depois dizem que nao se aprende nada com a televisão: até então eu pensava que a mais baixa posição na escala de trabalho - e humana - era emulada acirradamente por...jornalistas e advogados. Imagina que tolo que eu era.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Por que eu ia querer isto? (1)

No geral sou completamente a favor do assim dito (pejorativamente, na mídia ultra reacionária que domina toda forma de comunicação social no país) “politicamente correto”: É claro que precisamos de uma lei contra o racismo, pq se os pais – com medo da policia – não se expressarem de modo discriminatório contra minorias raciais, os filhos não terão modelos imediatos tão nefastos para perpetuar esse horror irracional. Mas é obvio que isso leva também a outros tipos de absurdos, no exato sentido que menciono no post anterior. Exemplo? No ultimo governo da ditadura militar tinha um Ministério da Desburocratização – criar um ministério pra isso? Já estamos com problemas, não? – e então um dia vi uma entrevista do ministro titular dizendo, com desgosto, diga-se a seu favor, que tinham abolido o reconhecimento de firma de documentos a serem apresentados em repartições oficiais, mas que quando algum distraído chegava com um documento com a tal de “firma reconhecida” o documento era rejeitado com base na lei que abolia a exigência. Quer dizer... Não sei o que dizer... Mas me parece muito coerente com outro fenômeno comum nos assim chamados anos de chumbo: presos políticos torturados nas masmorras do regime militar denunciavam as torturas sofridas na imprensa estrangeira, e então eram torturados de novo por “denegrir a imagem do Brasil no exterior” ao fazerem as denuncias iniciais, entenderam??